COROAÇÃO DE NOSSA SENHORA

Neste último domingo (26), durante a Celebração Eucarística das 19 horas, a Pastoral da Catequese preparou uma singela homenagem, coroando Nossa Senhora. Como é tradição coroar a imagem de Nossa Senhora no mês de maio, especialmente no encerramento do mês a Ela dedicado, é antiga em nossa Igreja, e surgiu na Europa. Naquela região, o mês é primavera, são colhidos os frutos da terra e as flores do campo são cheias de cores e de perfumes. E isto remete a Maria, que é considerada a flor mais bela. No século X, o rei da Hungria Santo Estevão consagrou o seu reino a Nossa Senhora, colocando a sua coroa aos pés da imagem de Maria Santíssima. O mesmo fez Dom Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, gesto repetido por Dom João IV, com oferta de vassalagem e promessa de feudo de Portugal a Nossa Senhora. Daí por diante os reis de Portugal não mais usaram a coroa, pois pertencia a Maria Santíssima, e todos são retratados sem coroa, tendo-a ao lado em uma almofada. A Rainha era a Mãe do Céu.

Esta tradição se solidificou no século XIV, em Paris, onde a figura de Maria ganhou destaque. A Mãe de Deus era simbolizada como uma flor adornada de joias, então, surgiram as coroações. Foi São Felipe Neri que começou a dedicar o mês de maio à Maria fazendo a ela homenagens com flores. Daí vem o piedoso costume da Coroação de Nossa Senhora, como sempre se fez e faz em muitas paróquias. Desde então, devotos realizam coroações da imagem de Nossa Senhora durante este mês. A tradição chegou ao Brasil através dos portugueses.

Este gesto da coroação é simbólico. É uma maneira de externar o carinho que sentimos pela Mãe de Jesus e nossa Mãe. As homenagens também são uma forma de reconhecimento: Maria é a Mãe de Deus!

Celebrar o Mês de Maria é devotar o nosso amor à Mãe de Deus e nossa Mãe. Um dos elementos marcantes do catolicismo é a devoção mariana. Coroar Nossa Senhora é demonstrar que a reconhecemos como “Rainha”, mesmo na simplicidade de sua figura. Maria é rainha porque é Mãe de Cristo, o Rei.

Por isso, a Igreja convida os fiéis a invocá-la não só com o doce nome de mãe, mas também com aquele reverente de rainha, como no céu a saúdam com felicidade e amor os anjos, os patriarcas, os profetas, os apóstolos, os mártires, os confessores, as virgens. Maria foi coroada com o dúplice diadema de virgindade e de maternidade divina: “O Espírito Santo virá sobre ti, e o poder do Altíssimo vai te cobrir com a sua sombra; por isso o Santo que nascer será chamado Filho de Deus”. No Céu, a Virgem de coração mais humilde foi a mais exaltada, conforme prometeu Jesus: “quem se humilha será exaltado”. Foi recebida no Céu pelos coros dos anjos e coroada por seu Divino Filho, recebendo as honras da Santíssima Trindade.

 

Fonte: Facebook Catecismo Brasil

Compartilhar
PASCOM
Pastoral da Comunicação