Caminhar é preciso!

O IV Congresso Regional Missionário da CNBB Oeste 1, realizado em nossa Diocese de Naviraí de 21 a 23/09, em sua Carta de envio dá como indicação prática para os próximos quatro anos, a criação das instâncias missionarias em nível diocesano, a Comissão Missionaria Diocesana (COMIDI) e em nível paroquial a Comissão Missionária Paroquial (COMIPA). Neste sentido nossa Paróquia, já está à frente, pois desde o ano passado, que a COMIPA já vem atuando ativa e efetivamente na dinamização da dimensão missionária.

As primeira ações concretas foram: o mapeamento da paróquia e a identificação dos setores; e logo em seguida, ofereceu um curso aberto de dois meses para a formação de lideranças, que pudessem mais tarde formarem as pequenas comunidades, o que de fato aconteceu. Em pouco menos de um ano, já foram formadas mais de 50 pequenas  comunidades e centenas de missionários, que atuam diretamente no anúncio da palavra e na assistência a famílias mais necessitadas. Aos poucos, a paróquia vai deixando de ser uma comunidade do templo e está se tornando uma comunidade samaritana. É verdade que ainda existem muitas pessoas apegadas às paredes e às pedras do templo, que acham, que só as suas contribuições materiais e financeiras para os festejos do padroeiro vão salva-las; por outro lado, se percebe que a maioria dos fiéis, está focada na proposta de uma paróquia em movimento, voltada para a saída do comodismo e do verniz de uma evangelização, que não evangeliza, mas camufla pintando a comunidade com as cores do moralismo oco, e de estranhas e exacerbadas devoções.

Neste mês de outubro, mês missionário, está acontecendo o segundo curso de formação de lideranças missionárias, com os conteúdos voltados para o aprofundamento da identidade e do papel da Leiga e do Leigo na Igreja, revisitando o decreto do Concílio Vaticano II sobre o apostolado dos leigos, Apostolicam Actuositatem e atualizando o Doc, 105 da CNBB, Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade; a definição de Pequenas Comunidades partindo da realidade de nosso município; a diferença entre religiosidade popular e religião, e, por fim, um aprofundamento maior sobre o papel da Maria de Nazaré na caminhada de fé das comunidades.

Caminhar é preciso. A paróquia está consciente de que nunca se termina de evangelizar e mesmo com as limitações inerentes à humanidade, e com superações, segue adiante, sempre mirando para uma Igreja verdadeiramente em saída e em vestes do Bom Pastor, que não tem medo de arriscar as 99 ovelhas acomodadas no conforto aprisco (devoções e missas semanais), para ir em busca daquela ovelha, que não reconhece o rebanho ou que se desgarrou dele, por sentir-se não digna, e como o filho pródigo ou a pecadora do evangelho, se encontra, triste, desorientada e só. É para estas pessoas que a COMIPA juntamente com o CPP e CAE, vêm se desdobrando, para que o rebanho seja completado. São dias de lutas? São sim!

O Senhor quando nos chamou e nos enviou em missão, não disse que seria fácil, porque as coisas fáceis e cômodas, qualquer um pode fazer. São as missões difíceis que requerem coragem, doação e muita fé.

Estamos em saída e queremos que mais gente saia conosco. Somos convocados a darmos cada um da sua pobreza, para construirmos um Reino rico de muitos corações. Venha participar! Procure a Pequena Comunidade mais perto de você, caso não tenha nenhuma, busque a COMIPA, peça ajuda e comece uma Pequena Comunidade em seu bairro, na sua rua.

Compartilhar